08
Fev 10

 

Ele voltara às leituras. Um mundo de sonho, só seu, onde era personagem de histórias que outros tinham sugerido. Lia agora um conjunto de pequenos textos sobre Macau, a China e o velho Wenceslau, publicado três anos antes. Demorou-se na leitura de uma página em particular... "O ópio de Macau tem fama, é muito apreciado, havendo um técnico especialmente encarregado de prová-lo antes de sair da fábrica. A operação de fumar o ópio é muito mais complicada do que a de fumar tabaco, pois que além de um cachimbo especial, requer ainda vários utensílios entre os quais figura a indispensável lamparina do ópio." Sorriu, imaginando o estado do técnico provador... Imaginou-se provador, imaginando Boubouka como preciosa gota leitosa de afyan... Caíu em si. Haviam-se passado semanas. Tinha que resolver a questão da sua passagem para Macau.

Não se apercebera que tinham passado tantas semanas. Em breve, o Sibajak efectuaria nova viagem para o sudeste asiático. Não hesitou. Desistiu da passagem aérea. Revalidou a passagem no navio. Disse a Boubouka que partiria em breve. A resposta dela foi o mais triste dos sorrisos que ele havia visto. Ao fim da tarde, Boubouka desistiu de se conter. Era um olhar sussurrante, o seu. "Não me deixes..." pediu ela, sem quase mover os lábios. Ele olhou-a, como se nunca tivesse olhado para ela.  O espaço entre aqueles olhares era uma tristeza imensa. "Nunca te deixarei", prometeu ele. Tremia, quando o disse. Tremiam os dois quando se abraçaram.

Ele compreendera que nunca mais amaria ninguém como amava Boubouka. Os dias tornaram-se numa longa e insuportável angústia. As noites passaram a ser contínuos pesadelos, em que um monstruoso Sibajak o engolia a ele, Jonas.

 

 

© Blog da Rua Nove  

publicado por blogdaruanove às 19:53

Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Macau, 1936 (VII)

subscrever feeds
arquivos
2010

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO